Páginas

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

SONHO INSANO



 





SONHO INSANO

Pelo tempo que insiste
Em toda a sua existência
Na insistência de querer me agravar.

O que fazer se de sonho,
Sonho...
A todo o tempo
Pelo tempo que virá.

Ou pelo tempo que virás
Não desgasto
Esse insano momento
O meu tempo de pensar.

Mas o tempo que existe
Não desiste
De querer me afugentar.

E mesmo em ventos
Loucas tempestades
Vou sempre
Correr, para esses braços
No desejo insano
De te abraçar.

Leonardo de Souza Dutra

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Ardente

  


   Ardente

O que é o Poeta?
O poeta é apenas
Uma parte da Alma
Que imagina
O que sente,
E mesmo ausente
Ainda assim sente
O gosto presente
De sua essência de Ser.

E neste sentimento presente
Vai em meio a rima ardente
Dizendo o que deveras sente
Dando a vida um sentido
De Ser...

E o Poeta
Com um jeito até mesmo
Descontente
Cria uma Alma presente
A alma que nunca
Poderá Ter.

Leonardo de Souza Dutra


quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Um anjo azul




Um anjo azul

Meu anjo azul
Em uma bela manhã
Surgiu assim
Chegou tão de mansinho
Me fazendo sorrir.

E quando se foi
Me fez refletir.

Mas o seu brilho
De cor azul
A fez florir.

E por fim
Na imensidão do meu ser
Que em céu
Se tornou,   
O seu brilho
De cor azul
Me fez também anjo

Leonardo de Souza Dutra


domingo, 15 de setembro de 2013

TEU AFAGO



                                 








                                 TEU AFAGO

                            Não se faça de arrogado,
                            Não.
                            Pois a questão é urgente
                            Falo de gente que sente,
                            Como sente
                            Pois sente com o coração.

                            Por isso te digo
                            Para te chamar a atenção
                            Essa coisa de dizer baixinho
                            Que a boca cala
                            Quando a garganta seca
                            Não vai me convencer,
                            Não.
                           
                            A questão é coração
                            Mesmo em zanga ou desalinho
                            Ele sente quentinho
                            O quentinho da solidão

                            E quando estremece sozinho
                            É como o mar
                            Que na praia enlouquece
                            Aquecendo na areia tostada d'insolação.

                            E essa gente que sente
                            Vai murmurando ao caminho
                            - Gosto desse jeitinho de me ver tremer assim!
                            Sintomas de uma febre terçã
                            Daquelas que dá calafrios.

                            É séria esta coisa de dizer baixinho
                            A dor de doer sozinho
                            Da dor que dói o coração
                            Por isso vou ficar assim quietinho
                            Na certeza de me ver novamente
                            Sentindo o afago de tuas mãos.

                           
Leonardo de Souza Dutra

CABELOS CACHEADOS