Páginas

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

DESALINHO









        DESALINHO

Quero ser poeta do absurdo
Rimar nada com nada,
Viver o Sonho não sonhado
Amar o que é desamado.
E comer o pão
Que nem o diabo conseguiu amassar.

      Viver em desalinho, desbotado
      Debochado para o tempo
      Que me vê passar,
      E em cada passarela
      Vou traçar a minha paralela
      Que para
      Para te contemplar
      Ficar assim em mau estado
      Mesmo estando ao teu lado
      Estado de te amar.


Leonardo de Souza Dutra



O pOetA é uM FiNGidOR?


 










O pOetA é uM FiNGidOR?

      Quando o poeta fala
      Aquilo que o peito
      Sente
      Ele fala
      Tão dementemente
      Que mente
      Sem saber mentir.

      E busca com sonhos
      Outra forma
      De dizer
      Aquilo que n'alma
      Sente.
     
      E sente tão intensamente
      Que sente
      Sem sentir.


Leonardo de Souza Dutra